Amor de mãe…

Por Melissa Bergonso

É difícil descrever até onde o amor por nossos filhos pode ir… qual o limite, qual a extensão… Só quem é mãe sabe o quanto o amor de mãe pode abarcar tudo, suportar tudo e também mandar tudo pro alto quando for preciso.

Tenho dois filhos, com o terceiro a caminho, como anunciei no post passado. São todos bem pertinhos um do outro, com diferença de 1 ano e 1 mês do primeiro para o segundo, e agora com diferença aproximada de 1 ano e 5 meses do segundo para o terceiro, que nascerá em janeiro.

Felipinho, Tomazinho e Afonsinho no "forninho". Meus maiores tesouros!

Felipinho, Tomazinho e Afonsinho no “forninho”. Meus maiores tesouros!

A cada dia aprendo mais sobre mim com os meus filhos. E isto, para mim, é incrível. Como uma criança pode nos levar ao íntimo de nosso ser tão rapidamente?… Nossos defeitos, nossos fracassos, nossas frustrações, nossas impaciências, nossas neuras, nosso “terror” interior, nossos próprios pecados, são capazes de serem desvendados com um simples sorriso de uma criança!

Felipinho e Tomazinho (e Afonsinho também o fará) têm me ensinado a ser uma mãe melhor, uma pessoa melhor, especialmente Felipinho, que já fala e pensa por si. Como ele tem me mostrado o meu coração e a minha alma de modo nu e cru! Às vezes me pego a chorar ao olhar pra ele, para o seu sorriso, para o seu jeitinho tão único e especial, tão maroto, tão palhacinho, tão sincero… e me lembro da primeira vez que escutei seu coraçãozinho em meu ventre, momento tão impactante pra mim, pois já tinha perdido duas gestações, que desatei a chorar na frente da médica quando ela me disse que aquelas batidas que eu estava escutando eram do coração do meu bebê. Foi a maior emoção que já vivi na vida, escutar o coraçãozinho do meu filho, com apenas 6 semanas de gestação, a 119 batidas por minuto… Foi lindo! Palavras são poucas para descrever este momento que ficará impresso em minha memória e em meu coração para sempre…

Felipinho foi a graça concedida pelas mãos da Santíssima Virgem Maria; Tomazinho foi a bênção do céu que veio pelo mesmo caminho da primeira graça. Houve quem ficasse chocado quando contei da gestação do Tomazinho, pois ele veio “tão rápido”… Felipinho tinha apenas 4 meses quando engravidei de Tomazinho. Vou dizer: foi uma bênção!!, e foi meu presente maravilhoso de Natal de 2014, pois foi na tarde de 25 de dezembro que descobri que ele estava ali, quietinho, se formando em meu ventre! Essa pessoinha tão única e especial, que me enternece o coração a cada sorriso, a cada carinho e a cada pedido de colo com as mãozinhas de “vem vem”!

Quando vejo as personalidades de Felipinho e Tomazinho, tão diferentes um do outro e tão únicos, penso em tantas coisas! Porque uma mãe não nasce com um manual de “como cuidar dos filhos”. O instinto nem sempre funciona. Algumas coisas a gente aprende no “solavanco de cada dia”, e com a experiência de pessoas que passam ou passaram pela mesma situação.

Ser mãe foi a melhor coisa que me aconteceu, em todos os sentidos. Não me arrependo, não abro mão, não divido com ninguém essa tarefa que Deus me deu, nem com a família. Podem achar ruim, podem me chamar do que quiserem, mas os filhos são meus e quem cuida deles sou eu. É óbvio que nem tudo sai como o esperado todos os dias, e fico muito cansada a ponto de chorar grande parte das vezes, mas quem disse que vida de mãe é fácil? Já não diz o ditado que “ser mãe é padecer no paraíso”? O que as pessoas, então, esperam de alguém que tem filhos e passa 100% do tempo com eles? Minhas alegrias estão no meu suor de cada dia, e cada etapa vencida é uma vitória alcançada, que me aquece a alma, me acalenta o coração e me faz ver que sim, com Deus e Sua graça, e com a ajuda da Santíssima Virgem Maria, de quem hoje comemoramos a Imaculada Conceição, tudo se faz possível.

Às vezes tenho a impressão que algumas pessoas da família acham que nunca conseguirei dar conta das coisas com “tantas” crianças, que não serei capaz de me virar sozinha, que não conseguirei nunca fazer nada sem ajuda. Confesso que no início é difícil sim, e como! Mas eu penso que é necessário passar por essas dificuldades, necessário para meu próprio amadurecimento como pessoa e como mãe também. Quantas vezes eu me perdi (e ainda me perco) no serviço da casa, nos horários de comida, na organização e em tudo o que envolve os cuidados domésticos somados aos cuidados dos filhos?! Mas vou aprendendo e me adaptando. E as graças especiais que Deus promete a quem recebe o Santo Sacramento do Matrimônio são derramadas. Hoje, com dois filhos e o terceiro a caminho, faço mais coisas, dou conta de mais coisas do que quando somente tinha o José Felipe. E as coisas vão fluindo, Deus vai me fortificando e me moldando a cada dia, com o auxílio da Santa Virgem, Mãe das mães, a quem sempre recorro, especialmente nos momentos mais críticos.

José Felipe, com apenas 6 semanas de gestação e seu coraçãozinho batendo a 119 batidas por minutos!!! Que emoção em minha vida!!

José Felipe, com apenas 6 semanas de gestação e seu coraçãozinho batendo a 119 batidas por minutos!!! Que emoção em minha vida!!

Apesar de todas as dificuldades, eu não poderia ser mais feliz quando uma nova vida se forma em meu ventre. Mistério de Deus em que me torno cooperadora da obra da Criação. Uma vida, tão frágil, tão pequena, tão indefesa… Uma vida que me traz mais vida, mais trabalho, é verdade, mas mais alegria!!! Meu coração se enche de felicidade, e eu não me importo de ser chamada de “corajosa” por 99,9% das pessoas que ficam sabendo da nova gestação. Porque eu sei que, na realidade, a maioria me chama interiormente de louca, insana, irresponsável, pois “onde já se viu, o custo para se criar um filho é um absurdo, e escola, então?”… cansei de escutar isto. Mas Deus tem se mostrado tão generoso para com minha família que esses tipos de comentários só me dão pena, porque essas pessoas que pensam assim não compreendem o amor de uma mãe nem a beleza da maternidade, por mais que sejam mães, infelizmente… pois pensar em dinheiro é algo tão egoísta! Uma vida não tem comparação com “uma nota de um milhão”, por mais que se precise desse “milhão” desesperadamente.

Ah, amor de mãe! Quão doce você é e quão pesado também! Que me arrebata o coração de modo tão violento quando olho para os filhos que Deus me concedeu entre lágrimas! Antes, lágrimas de tristeza, hoje, lágrimas de alegria. Meus tesouros, meus amores, minha vida…

Salve Maria Imaculada!


Comentários ( 19 )

  • Ah, que lindo Melissa! Sem palavras! Lembro do seu sofrimento quando perdeu duas gestações, agora me alegro em saber que sua família cresce com a graça de Deus! Faço parte dos 0, 01% que não te acham louca, hehe. Espero ainda alcançar a graça do matrimônio. Fazer a vontade de Deus é o que mais importa em meio às tripulações, é o que nos deixa em paz diante dos comentários maldosos, dos olhares tortos da família.
    Muito belo uma mãe que não passa para outros a importância de educar os próprios filhos e estar com eles sempre. Eu vejo tantas moças que são mães e parecem fazer de tudo para passar tempo longe dos filhos, sinto pena de crianças que tem pais assim. :(

    Que Nossa Senhora recompense toda sua dedicação pela família. No Céu será totalmente recompensada.

    Salve Maria!

    • Oi, Débora!! Fico feliz que tenha gostado do texto!!

      Pois é! Não é muita gente que sabe do meu sofrimento das minhas duas primeiras gestações. Quem sabe um dia conto minha história de toda minha jornada para ser mãe.

      Entregue seu desejo de formar uma família para a Santíssima Virgem, especialmente no dia de hoje!! Aquela que recebeu de Deus o dom tão maravilhoso da Imaculada Conceição e da Maternidade Divina há de conseguir para você um bom marido, que seja um fiel cristão católico!

      Amém!!! Um beijo! Salve Maria Imaculada!!

      • Oi Melissa, já entreguei nas mãos Santíssimas de Nossa Senhora, mas está difícil esperar :( Que Nossa Senhora me dê forças especialmente para confiar e esperar!

        Conte sim suas história sobre a maternidade, é muito inspiradora, com certeza deve ter muita moça católica nessa situação que pode estar triste quase perdendo as esperanças, as pessoas gostam de ver exemplos assim e eu acho que os exemplos fazem bem à alma.

        Fique com Deus e Nossa Senhora.

        • Eu sei como é difícil esperar, esperei por 10 anos (contando da idade que meu pai falou que eu podia namorar)… Claro que não estou dizendo que você vai ter que esperar tanto assim!!! hehe… espero que sua espera logo acabe. Acho que o que mais dificulta é que muitos rapazes já não querem mais compromisso sério… e é difícil encontrar bons moços católicos. Mas continue pedindo, e procure frequentar lugares em que existam bons moços e moças (católicos, claro). Isso ajuda muito. Mas, também, às vezes Deus, em seus mistérios, nos faz encontrar a pessoa que Ele quer pra gente num lugar que nós nem imaginaríamos. No meu caso, foi na faculdade de música! Então, não limite seus espaços nem seus ambientes.

          Vamos ver! Sou meia receosa de ficar contando coisa de mim mesma… mas quem sabe eu o faça, se não no blog, por meio de um livro. Ia dar uma trilogia kkkkk…

          Um beijo!! Salve Maria Imaculada!

          • Eu já espero há 7 anos! (Contando de quando comecei rezar nesta intenção, porque antes de rezar eu já queria, só não pedia em orações…)

            O único lugar que frequento é a Santa Missa, aqui não tem nenhum lugar decente pra ir passear, só tem bar e “baladas” e nada disso me agrada. E não tenho amigas pra ir em passeios saudáveis em outras cidades (nem dinheiro). As amigas que eu tinha “se foram” quando comecei viver a modéstia e ir à Missa com mais frequeência. Então só fico em casa mesmo. Lembrar isso me dá um certo desânimo, hahaha. Meus espaços estão limitados por falta de companhia e dinheiro…

            Salve Maria!

          • Mas não perca as esperanças. Aproveite este tempo de espera para se aproximar mais do Coração de Jesus.

            Bar e baladas nem pensar!! hahahaha… não é disso que estou falando. Mas quem sabe passear num parque seja legal?

            Amizades hoje em dia são tão volúveis… Eu já perdi amizades até mesmo de pessoas que se consideram católicas tradicionalíssimas e batem no peito pra dizerem isto. Então, não me espanta em nada que as pessoas que vivem com o mundo nos desprezem quando começamos a ter uma vida mais íntima com Deus. Reze pra Nossa Senhora pedindo boas amizades e reze para que Ela afaste as ruins.

            Um beijo!! Salve Maria Imaculada!

  • Muito belo e cheio da VERDADE. A benção que eu percebo, que Deus nos agracia pelos filhos, é que eles escancaram de modo transparente os nossos limites, conduzem-nos ao conhecimento de nós mesmos e nos oferecem a melhor maneira de melhorarmos. Muitos, MUITOS, parabéns pelo terceiro bebé e por um dom tão comprometido da maternidade.

  • A vivência da Fé, Esperança e Amor, numa busca coerente e sincera pela experiência com a Graça e Bênção de Deus no dia-a-dia, abarcando a pessoa na sua integralidade e nas expressões dos vários aspectos da sua realidade que tem como escopo principal a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, só pode redundar num testemunho luminoso e edificante que reflete a verdade religiosa encarnada nas experiências de vida comum a mostrar a presença divina, transcendental. Jesus e Nossa Senhora são sempre fiéis e levará à perfeição a obra por eles iniciada para o Seu Louvor, Honra e Glória!

  • Oi, Melissa. Amei seu texto. Ainda mais agora que estou esperando receber de Deus a graça de engravidar pela primeira vez. Seu texto foi muito inspirador. Ouço da minha própria mãe uma lista de empecilhos para um filho. Mas eu e marido nem ligamos. A Providência Divina nunca nos abandonou e cremos nela firmemente. Lindo testemunho. Deus abençoe sua familia

    • Oi, Andrea!! Fico feliz que tenha gostado do texto!
      Infelizmente, parece que a gente ouve mais coisas negativas, com relação a ter filhos, da família do que de estranhos… De qualquer forma, quem não compreende o que é o Sacramento do Matrimônio não compreende a bênção de se possuir uma família numerosa. Filhos são bênção! São um dos bens e são o primeiro fim do matrimônio, como está muito bem explicado na Encíclica Casti Connubii. Continue rezando e pedindo, pois quando chegar a hora, Deus lhe abençoará com um filho!
      Amém!!
      Um beijo! Salve Maria Imaculada!

  • Oi Melissa, sou nova aqui mas adorei ssu post, pois somente quem é mae sabe o quanto esse amor é intenso, forte que chega dói. Ja por varias vezes, assim.como voce ja me peguei olhando meus filhos menina 5 anos e menino com 9 meses. Os amo tao intensamente que chego as vezes me questionar se esse amor podera atrapalhar em seu desdnvolvimento. Parei de trabalhar recentemente por.causa deles e nao me arrependo. Oro a Deus para que tenhamos SABEDORIA DE MARIA

    • Oi, Aline!! Fico feliz que tenha gostado do post!

      Acredito que o amor de mãe verdadeiro – não o sentimento de posse que muitas vezes é confundido com amor – não atrapalha o desenvolvimento dos filhos, pois quando a gente ama verdadeiramente a gente quer o melhor para quem amamos, mesmo que isso signifique nosso próprio aniquilamento total, especialmente quando se trata dos nosso filhos. Uma vez eu li num livro sobre a maternidade cristã (que aliás preciso fazer uma resenha no blog) que a mãe deve possuir espírito de sacrifício, coisa que não vemos mais hoje em dia em muitas mulheres, pois as mulheres “modernas” preferem uma carreira, um bom emprego, a ter que cuidar e educar as alminhas que Deus confiou a elas. Parabéns pela sua decisão de parar de trabalhar para cuidar dos seus filhos! Deus vai recompensá-la por isto, pois este é o dever primeiro de quem é mãe!

      Fica com Deus!
      Um abraço!
      Salve Maria Imaculada!!

  • Olá, Salve Maria!
    Que lindo e inspirador texto e parabéns pela família e esse exemplo de amor à família.
    Após 4 anos casada e sempre esperando hoje temos nossa pequena Maria Clara de 5 meses. Nós veio na Hora, aos pedidos à Nossa Senhora e cresce um amor tão grande que não tem como explicar, em contrapartida cresce um medo desse mundo louco, a insegurança de não saber conduzir pra Deus. Vamos intensificar nossas orações pelas famílias católicas e que querem muitos filhos, mesmo sem saber se dá conta, rsrs Deus cuida :-)

    • Oi, Waléria!!

      Fico feliz que tenha gostado do texto!

      O nosso medo é normal. Mas com confiança em Deus e em Nossa Senhora, “tudo concorre para o bem dos que amam a Deus”. Peça a Nossa Senhora todos os dias o auxílio para educar sua filha (e os outros que vierem se Deus quiser) na Fé Católica e no Amor de Deus. Ela nos conduz, nos auxilia nesta empreitada, que não é fácil, especialmente em nossos tempos!! Mas a graça de Deus supera qualquer dificuldade e a gente dá conta sim!! hehe… :-) Quando eu tiver tempo (coisa rara agora em minha vida!!) vou escrever um post contando um pouco da minha experiência em cuidar de três filhos escadinha. Ter bastante filhos pode até ser atribulado, corrido e cheio de percalços, mas é a maior maravilha que uma família católica pode possuir!!

      Amém!!!

Deixe uma resposta