Como escolho/encontro a pessoa certa para me casar?

25/07/2012 Namoro e Noivado 18 Comentários

Por Melissa Bergonso

matrimônio-aliançasMuitas moças e rapazes querem se casar, porém, não é tão fácil encontrar a pessoa certa. Às vezes procuramos tanto e nem sequer encontramos a sombra daquela pessoa que pedimos tanto a Deus em nossas preces. Então, depois de tanto rezar, buscar em vão e de algumas (ou várias) frustrações, nos perguntamos: “o que estou fazendo de errado?”; ou então “o que eu tenho de errado?” Porém, não ter encontrado a pessoa certa não significa que tenhamos feito ou estejamos fazendo algo de errado. É bastante comum termos esse tipo de pensamento – eu tinha muito quando ainda estava em busca daquele que hoje é meu esposo – mas não há porque pensar dessa forma se você deposita esta sua intenção e toda sua confiança em Deus. Querer encontrar uma boa pessoa com quem possa se casar, que cultive valores cristãos, valores morais, não é loucura nem exagero, ao contrário, é sinal de sensatez! Quem em sã consciência vai querer formar família com alguém que não está nem aí para Nosso Senhor? Uma família bem estruturada tem em seu centro Cristo, que é o Rei, o Senhor e o Fundamento de todo lar católico! Então, é isso o que você deve ter em mente antes de tudo.

Existe uma idade certa para começar a namorar?

Antes de tudo, algo importante a ser dito nesta matéria é: tenha a idade certa para namorar. Um grande erro que acontece é o “namoro precoce”, isto é, aquele “namorico passa-tempo”, sem compromisso sério, entre crianças e adolescentes – ou mesmo adultos – que não é direcionado ao matrimônio, por questões óbvias: falta de idade, maturidade, condições financeiras e psicológicas – e no caso de adultos, falta de vergonha na cara. Namoro não é brincadeira, pois é um período de conhecimento entre duas pessoas que desejam construir uma família cristã. Portanto, só pode começar a namorar quem já tem condições próximas de se casar. Cometem grande erro os jovens que querem namorar muito cedo e pecam gravemente os pais que permitem namoros precoces, pois esse tipo de namoro geralmente proporcionam ocasiões de graves pecados e também, muitas vezes, de escândalos.

Com quem casar?

Se você já tem idade suficiente e quer, de fato, constituir uma família cristã à imagem da Sagrada Família, procure e escolha uma pessoa que seja realmente católica, que reze, que vá à Missa TODOS os domingos e dias Santos de Guarda como manda a Santa Madre Igreja, que seja tradicional. Os “católicos de IBGE” provavelmente não vão querer nada sério e, quando querem, não sabem sequer o que é o Sacramento do Matrimônio, e sabê-lo é VITAL para quem quer se casar cristãmente.

Tem aquele ditado que diz “quem escolhe demais acaba escolhido”. De certa forma, é verdade. Tem gente que escolhe tanto, porque põe defeito em todo mundo, que acaba não encontrando ninguém “à altura” ou acaba ficando depois com o primeiro que aparece. Porém, como meus pais sempre me disseram: “pai, mãe, família a gente não escolhe, mas marido a gente escolhe, então tem que escolher muito bem!”. Casamento é pra vida toda, SIM, VIDA TODA! Por isso escolha BEM quem vai passar o resto da vida ao seu lado!

Como escolho/encontro a pessoa certa?

Depois de ler tudo isso, você deve estar se perguntando: “então como escolho/encontro a pessoa certa?” Claro que não há uma regra fixa para isso. Seria muita ingenuidade achar que com uma “receita de bolo” acharíamos num piscar de olhos “nosso príncipe/nossa princesa encantado(a)”. Algumas vezes, Deus nos surpreende com algumas coisas totalmente contrárias ao que imaginávamos, e acabamos encontrando a pessoa em lugar onde nunca pensaríamos encontrar (esse foi o meu caso rsrs). Porém, de qualquer forma, eu fiz uma listinha com algumas dicas que podem ajudar bastante a quem quer encontrar um “bom partido católico”!

1) Reze pedindo pela pessoa certa! Não tenha medo de pedir! Jesus mesmo disse: “Pedi e se vos dará. Buscai e achareis. Batei e vos será aberto. porque todo aquele que pede, recebe. Quem busca, acha. A quem bate, abrir-se-á. Quem dentre vós dará uma pedra a seu filho, se este lhe pedir pão? E, se lhe pedir um peixe, dar-lhe-á uma serpente? Se vós, pois, que sois maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celeste dará boas coisas aos que lhe pedirem” (Mt 7, 7-11). Eu indico, especialmente, a oração do Terço ou do Rosário diário nesta intenção.

2) Não fique na frente da TV o dia inteiro esperando o bendito(a)-cujo cair do céu. Assistir TV durante o dia todo só vai lhe proporcionar cultura inútil e drenar seu cérebro. Ao invés disso, enriqueça sua alma com leituras espirituais e alimente sua inteligência lendo sobre cultura, educação, filosofia, tecnologia ou outra coisa que lhe interesse e seja fonte de conhecimento.

3) Não passe o dia todo no computador, em chats, ou coisa parecida, esperando o bendito(a)-cujo sair pela tela do pc. Ambientes virtuais proporcionam personalidades irreais. Você pode se decepcionar com o tempo ou se enganar com a pessoa com quem “tecla”. Isso quando não cai na lábia de um golpista! Acredite, isso acontece aos montes!!

4) Não idealize demais uma pessoa. Todos temos defeitos, imperfeições e pecados, e imaginar uma pessoa “ideal”, “linda” e “perfeita”, pode fazer com que você não enxergue aquela pessoa que Deus quer lhe dar. Fique de olhos abertos e atentos, pode ser que a pessoa certa esteja mais perto de você do que você mesmo imagina!!

5) Procure pela pessoa certa em ambientes familiares e tradicionais. Não vá em baladas ou em lugares ruins onde haja bebidas e danças frenéticas ou pessoas de má índole ou de má vida, pois aí, com certeza, você NÃO VAI encontrar uma boa pessoa para se casar. Não se procuram rosas em desertos nem no fundo mar, mas em jardins; e não se encontram tesouros preciosos e pérolas raras em chiqueiros ou em latrinas, pois o ouro só pode ser encontrado garimpando-se o terreno certo. Obviamente, pode ser que você encontre a pessoa em outro local, como na faculdade, por exemplo, mas via de regra, é muito mais provável você encontrar a pessoa certa em um bom ambiente (de família).

6) Tenha, primeiramente, uma sólida e verdadeira amizade. O melhor modo de perceber se aquela pessoa é a certa para você é tendo uma boa amizade com ela. Ninguém ama à primeira vista, nem na primeira “troca de mensagens” (para o caso de quem fica procurando na net). Ao “amor à primeira vista” dá-se o nome de paixão, que é tão volúvel quanto o vento. Em fato, nós somente aprendemos a amar com o tempo, pois o amor demanda respeito, admiração, confiança, sinceridade, e não se consegue isso da noite para o dia.

7) Procure saber como é a vida católica e a vida de oração da pessoa. Um lar precisa ser firmado sobre a Rocha, que é Cristo, e vocês dois devem querer Nosso Senhor Jesus em suas vidas e compartilhar a mesma Fé. É por isso que casamentos mistos são desaconselhados pela Igreja, assim também como é desaconselhável casar com um “católico não-praticante”, pois provavelmente a vida cristã, para esta pessoa, ficará em centésimo plano, e, por consequência, a vida conjugal e familiar de vocês ficará muito complicada com o decorrer do tempo, especialmente com relação à educação religiosa dos filhos e ao cumprimento dos deveres cristãos.

8) Procure alguém que tenha alguma coisa em comum com você, como um gosto musical, interesses de leituras, etc. Isso não é regra, mas ajuda bastante. É tão bom quando podemos compartilhar com a pessoa amada algo que ela também compreende e aprecia! Digo isso por experiência própria!

9) Estude sobre o Sacramento do Matrimônio. Isto é VITAL para quem quer constituir um lar nos moldes cristãos. Quem se casa deve ter em mente o que a recepção deste Sacramento implica. É muita responsabilidade formar uma família. Pai e mãe têm uma grande missão perante Deus quando geram filhos, portanto, é imprescindível saber: o que é o Sacramento do Matrimônio de fato, o que ele implica, quais são seus fins (primário e secundário), o que significa ser generoso com Deus na geração de novas vidas, por que não se pode usar anticoncepcionais, qual é o papel do homem e da mulher na hierarquia familiar, etc. Você pode encontrar facilmente o que precisa saber sobre isso no Catecismo Romano e no Catecismo de São Pio X (que são bem tradicionais) e em algumas encíclicas papais como o Casti Connubii e o Humanae Vitae.

Indico também dois textos excelentes para quem quer se casar e ter um namoro santo: pequeno catecismo do namoro e pequeno catecismo do noivado. Estes textos são ótimos, explanam bem alguns dos itens descritos acima, além de outras coisas.

A quem ainda está na busca da pessoa certa eu digo: NÃO DESISTA. Reze, peça a Deus. Peça para que, se for para o bem de sua alma, de acordo com a Vontade Divina e do agrado do Coração de Jesus, que Deus possa lhe dar essa pessoa que você tanto deseja e pela qual tanto reza. E lembre-se: “todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, […], segundo os seus desígnios” (Rm 8, 28).

Fique com Deus!

Salve Maria Santíssima!!


Comentários ( 18 )

  • Ah, esses ambientes virtuais… Agora mesmo eu soube de um caso de alguém próximo, veja o que está acontecendo: um menino de 14 anos conheceu uma garota da mesma idade e querem se conhecer no sentido bíblico, entende? Pois é, e o pior é que parece ser um golpe, pois a menina é monitorada pela mãe que marca encontros dos dois às escondidas, já que a mãe do menino não é favorável ao caso…o menino já está usando anel de compromisso (exigido pela garota). Porque pensamos que seja um golpe? Porque o “namorado” da mãe do garoto é rico, e por isso ele, a mãe e o “padrasto” vivem viajando, esquiando na Suíça, ou coisas assim. Isso deve ter enchido os olhos da garota e da mãe dela, que a fez despencar lá do interior do Brasil direto para o litoral disposta a caçar o rapaz que elas acham que é rico… Mas o menino e a mãe não tem nada de dinheiro, é tudo do “namorado” da mãe, só que pelo jeito a família da mocinha (que clama ser virgem!) não sabe disso. É, veja o perigo que espreita o jovem na internet! Para fazer um bom uso da rede é preciso maturidade.

    Abraço e Paz!

    • Oi, Andrea!

      Sim, ambientes virtuais são perigosos. Não vou dizer que todas as pessoas são falsas e ruins, porém é altíssimo o risco de encontrarmos uma pessoa mau caráter sob “peles de cordeiro”. Isso é bem comum na net, e existe aos montes! Prudentes são os pais que vigiam seus filhos e não permitem que eles usem a net sozinhos nem a seu bel-prazer.

      Fica com Deus! Salve Maria!

  • Salve Maria!

    Ai, Melissa sua reflexão é perfeita!
    Essa lista que fez é ótima, desde que comecei a rezar (há 3 anos e 4 meses) eu venho seguindo esta lista mesmo sem tê-la colocado tão claramente como fez.
    Essa coisa de TV é muito importante, tem um tempo já que deixei a televisão, é um vício muito perigoso e nessa questão de estar esperando a pessoa que Deus escolheu para a gente faz muito mal, por que as novelas, os filmes deixam muita imaginação na cabeça da moça e ela pode ficar “sonhando” que o rapaz vai fazer igual nos filmes, ou pode ficar tentando “montar” a cena, isso é muito perigoso, no livro “a formação da donzela” o padre José Baeteman dedica um capítulo sobre isso, eis algumas sábias palavras dele sobre os romances:
    “O perigo das más leituras:
    1. O romance exalta a imaginação. – Entretanto, esta “louca” não precisa disso para fazer loucuras.
    Todos esses quadros apaixonados, essas descrições fantásticas conduzem-vos ao país dos sonhos e das quimeras. Depois de ler histórias em que vibraram de maneira doentia todas as molas da sensibilidade, em que a imaginação se superexcitou sem controle da razão, em que o coração se entregou a todo um mundo de emoções factícias e fica como que hipnotizado, a pessoa não se pertence mais. Fica sob a influência mórbida dessa poderosa rede de imagens e sentimentos que substituem, na consciência, o conjunto ordinário e razoável das idéias e sentimentos pessoais. E, um pouco como que acordando de um sono hipnótico, a pessoa sente-se deslocada. A alma fatigada experimenta um desencanto e um mal-estar indefiníveis; não chega mais a fazer o acordo entre o mundo imaginário em que acaba de viver de maneira intensa e que continua a retê-la, e o mundo real onde, apesar de tudo, lhe cumpre retomar o curso da sua vida normal.
    2. O romance perverte a inteligência. – Sempre se acaba por esposar as idéias dos livros que se lêem freqüentemente. Sem desconfiar, o espírito assimila todas as opiniões, paixões, sentimentos do livro que ele devora. Chega-se assim a envenenar a inteligência, a fazê-la amar a mentira e o erro que ela já não sabe mais discernir. Breve são as trevas que caem, e a noite faz a sua obra.
    Quereis, a este respeito, o conselho autorizado de Féneton? “Uma donzela, cheia do maravilhoso que a encantou nas suas leituras, fica admirada de não achar, no mundo que a cerca, personagens que se pareçam com os seus heróis. Quereria viver como essas princesas imaginárias que nos livros são sempre encantadoras, sempre adoradas. Que desgosto, para ela, o descer do heroísmo para as mais baixas minúcias da casa! E, por isso, que desprezo pelas pessoas que a cercam!…” A jovem ledora de romances encerra-se na sua torre de marfim, onde quer representar o papel da incompreendida! Quando sai dela, não sabe mais senão ser pesada aos outros como o é a si mesma.”
    Página 52

    Eu parei também de ouvir música secular e principalmente as românticas por causa desse perigo de ficar “imaginando” coisas…
    Quanto à internet, eu fiz um “teste”, hehehehe, fiquei um mês sem usar o facebook que é uma das redes que mais tenho usado e o resultado foi muito positivo, é interessante fazer esses pequenos sacrifícios para Nosso Senhor, a gente percebe como esse mundo é nada e não vale se apegar a ele. Procuro recordar de São Luiz Gonzaga, um grande santo de minha devoção que se perguntava sempre: “de que vale isso para a vida eterna?” É preciso entender que os sacramentos que recebemos aqui são para a nossa santificação e para a santificação de outros, só assim se aceita de verdade o matrimônio!
    Também parei de ir a shows de música pensando exatamente assim: “eu não quero um rapaz que viva em baladas, logo não devo procurá-lo aqui”.
    Obrigada por dividir conosco essa reflexão =)
    Ah, se todas as moças católicas que esperam lessem este texto e entendessem a importância de esperar em Deus…
    Fique com Deus!

    • Oi, Débora! Salve Maria!

      Tudo o que você disse foi muito bonito. Sim, a TV estraga qualquer cérebro bom. Eu eliminei minha TV de casa desde fim de 2009 e eu posso atestar que foi a melhor coisa que eu já fiz. Há quem me conteste, mas só eu sei o bem que isso me fez.

      Quanto aos livros e filmes de romance, é bem isso mesmo. Isso é um veneno para as moças, pois cria uma situação imaginária que provavelmente nunca vai acontecer na vida real, e aí, vem a frustração. Ou então, cria uns “Dom Juans” sem vergonhas, conquistadores baratos.

      Ah, você fez muito bem em parar de ouvir músicas seculares românticas! Elas, tanto quanto filmes e livros de romance, são ruins! Eu ouvia muito, depois cortei e comecei a somente ouvir música erudita, e vou dizer, hoje não consigo escutar praticamente nada de música popular, internacional etc., pois me irritam demais! Quem se habitua a ouvir Mozart, Haydn, Handel, Vivaldi, Corelli, Victoria, Palestrina, não consegue mais ouvir praticamente nada de músicas “populares”, pois elas são de uma pobreza musical enfadonha!! rsrs…

      O Facebook é horrível. Eu estou pensando seriamente em deletar o meu perfil. Eu quase nem o acesso e quando acesso, não vejo quase nada de bom lá, só vejo piadinhas, fofocas, discussões inúteis, e, especialmente, vejo muitos católicos envolvidos nessas coisas. O tempo gasto com isso poderia ser utilizado para ler um bom livro.

      Obrigada por seu testemunho! :D
      Deus te abençoe!!

  • Olá! Salve Maria!
    Gostaria de saber se o catecismo da Igreja Católica também é recomendável para o matrimônio, pois tenho ele em casa.
    Gustavo

    • Olá, Gustavo, Salve Maria!

      Para estudar mais a fundo o Sacramento do Matrimônio, eu recomendo que você adquira o Catecismo Romano. Ele é bem mais completo, muito mais objetivo e claro, não dando margem para qualquer tipo de dúvida de ordem interpretativa.

      O Catecismo Maior de São Pio X é muito bom também. Ele é mais sucinto, em forma de pergunta e resposta, mas em questão de clareza e objetividade, segue a mesma linha do Catecismo Romano.

      Fica com Deus!

  • E se o casamento não acontecer, apesar de a pessoa não ter dúvidas a respeito de sua vocação para o matrimônio? Acho essa ideia tão angustiante, mas é uma possibilidade real!

    • Olá, Miramuri! Salve Maria!

      Sim, existe essa possibilidade. Eu ainda estes dias estava falando sobre isto com minha mãe. O que temos que ter em mente é que Deus, em sua infinita sabedoria, sabe o que é melhor para nós. Às vezes desejamos coisas que, em si mesmas, não são más, mas que, lá na frente, podem ser causa da perdição da nossa alma, por algum motivo. Nós não sabemos, mas Deus já o sabe. Eu vivi durante muitos anos me fazendo esta pergunta, se Deus realmente queria que eu me casasse (talvez eu conte minha história, pode servir de consolo para algumas mulheres), porque meu sonho sempre foi casar e ter filhos. Passei 10 anos da minha vida rezando para que isto acontecesse. Enfim, mas com todo esse meu percurso, eu pude compreender que, quando algo é para acontecer na nossa vida pelas mãos de Deus, acontece no tempo que Deus estipula, não no tempo que a gente deseja. Só mais para a frente nós conseguimos compreender isto. Há também a possibilidade do matrimônio não acontecer por outros motivos, por questões pessoais de cada pessoa que, muitas vezes, idealiza o par perfeito, e acaba ignorando a pessoa que Deus coloca no seu caminho, ou acha que tudo o que vem no seu caminho é colocado por Deus, mas, no entanto, é posto até pelo demônio para nos fazer perder, para nos confundir, para tornar nossa vida um inferno de angústias. Isto o que eu estou dizendo é fruto das minhas reflexões, não sei se são as mais plausíveis, mas às vezes reflito sobre isso porque sei de pessoas com bom coração, que continuam solteiras, outras que já erraram em escolhas, mas que querem de todo o coração constituir uma família cristã e simplesmente não conseguem encontrar um bom homem para se casarem. De qualquer forma, a primeira coisa que devemos fazer, e que talvez seja a mais difícil, quando decidimos que queremos nos casar e constituir uma família cristã, é entregarmos a nossa vontade a Deus, sem reservas, esquecendo-se de nós mesmos. Quando nossos desejos tomam conta do nosso coração, nós não conseguimos cumprir com bom espírito a vontade de Deus, nós não conseguimos enxergar a vontade de Deus para nós, nem perceber o que Ele nos mostra sobre isso. Aí nós nos angustiamos, nós nos revoltamos, nós nós apiedamos de nós mesmos, como se sempre fôssemos vítimas. Uma vez li em algum escrito de santo ou de meditação sobre vida de algum santo que nós merecemos todos os sofrimentos que temos, porque pecamos dia e noite e ofendemos a Deus, então tudo o que nos sobrevém é muito justo. É duro ouvir isto, mas eu compreendi depois de ter lido, e é verdade, então, não podemos nos fazer de vítimas dos acontecimentos ruins e contrariedades da vida. Deus é infinitamente bom para conosco, apesar dos nossos horríveis pecados. Deus, em Sua infinita sabedoria, conhece todas as linhas da nossa vida, todos os nossos caminhos, tudo aquilo que pode ser motivo de nossa edificação ou perdição. Ele, como bom Pai, sempre vai querer livrar seus filhos amados dos caminhos que os conduzem à perdição por algum motivo. Ele, como bom Pai, vai sempre querer que seus filhos trilhem os caminhos que lhes deem maior santidade. Muitas vezes esses caminhos são os mais penosos para nós, pois são justamente aqueles que rezamos, dia e noite, para que não aconteçam…

    • Olá, Melissa!

      Poxa vida, eu nem lembrava mais que havia feito este comentário ao seu post, mas fiquei muito fortalecida quando, navegando pelo seu blog, “redescobri” sua postagem e a resposta que você me deu.

      Realmente, esse tempo de espera tem sido sofrido, especialmente porque vejo muitas amigas minhas que não quiseram trilhar este caminho de santidade e, mesmo assim, estão se casando. Inclusive na Igreja!!!

      Por um tempo me revoltei muito contra este fato, acusando Deus de ser injusto comigo e privilegiando aquelas “pecadoras”. Oh, quanta insensatez! Que falta de humildade e quanto excesso de orgulho! Em primeiro lugar, Deus é o dono de todas as graças e ele as distribui a quem Ele quiser e do jeito que Ele quiser. E em segundo lugar, quem me garante que essas amigas efetivamente vivem a inspiração de Cristo nos seus casamentos?

      Com o aprofundamento na vida de oração e na frequência dos sacramentos, Deus me deu a graça de compreender muitas coisas e estou sendo libertada de muitos enganos que o mundo nos apresenta, como, por exemplo, essa concepção hollywoodiana de felicidade. Isso não existe, é passageiro e mentiroso. A verdadeira felicidade está em Cristo, fora dele tudo é ilusão!

      Portanto, hoje tenho aprendido a repousar no coração de Deus e tenho certeza de que Ele tem projetos de real felicidade para minha vida. Logicamente ainda tenho o sonho de me casar, de constituir uma família, mas só quero isso se for segundo o coração de Deus. Ele deseja realizar prodígios em minha vida, na vida de todos aqueles a quem Ele ama. No meu caso, os planos de Deus para mim estão muito além de um casamento. Podem incluir essa fase também, mas, se não houver, também não devo me desesperar.

      Como você disse, citando São Paulo, “tudo concorre para o bem dos que amam a Deus”.

      Fique com Deus e com a proteção amorosa de Maria!

    • Oi, Mira!

      Para facilitar o acompanhamento das respostas dos comentários, é só clicar em “Notifique-me” no canto inferior da caixa de comentário, à direita dos botões “Publicar” e “Visualizar”.

      Tempos de espera são sempre sofridos, mas são muito frutuosos. São neles que Deus trabalha nossa paciência e nossa confiança nEle.

      Realmente, essa concepção romântica de felicidade que os filmes apresentam não existe. A vida real é sofrida, muitas vezes. Claro, isso não significa que não tenhamos nossos momentos de felicidade, mas eles não são completamente plenos, pois a verdadeira felicidade só pode ser encontrada em Deus, e só a teremos por completo no céu, ao contemplarmos Deus face a face.

      Fico feliz que você esteja repousando no Coração de Deus e esperando que a vontade dEle se cumpra na sua vida conforme Ele designou. Deus não falha com seus filhos amados. Se seu “José” ainda não chegou, é porque não é o tempo. Achei muito bonito você afirmar que os planos de Deus, para você, estão muito além de um casamento. É lindo ver que você repousa com serenidade no Coração de Deus, sem pressa nem ansiedade. Deus vai te dar o melhor, tenha certeza!

      Fique em paz, com Deus e com a Virgem Santíssima!!
      Um abraço!

  • Oi, Melissa. Paz e bem!

    Gostaria de sugerir a você um tema para reflexão em seu blog: a não realização do matrimônio. Infelizmente, existe a possibilidade real de que, mesmo que a pessoa se sinta chamada e não tenha dúvidas sobre a vocação matrimonial, de que ela não aconteça. A pessoa certa pode nunca aparecer, por diversos motivos da vida. E, para quem passou a vida cultivando esse sonho, lidar com essa realidade pode ser muito cruel, principalmente se não repousamos em Cristo as nossas angústias e aflições. Acredito que essa situação atinja com mais intensidade principalmente as mulheres mais velhas, que se veem fragilizadas pela passagem do tempo, principalmente com a preocupação de terem condições físicas para gerarem um bebê.

    Gosto muito do seu blog e suas matérias prestam um grande serviço à vontade de Deus em trazer Seus filhos de volta para Ele.

    • Oi, Miramuri!

      Obrigada pela sugestão de artigo, vou ver se escrevo algo sobre isso. Sei que não é fácil passar por este tipo de situação, mas como eu disse no comentário acima, Deus conhece nossos caminhos e onde eles vão dar. Devemos confiar n’Ele com todo nosso coração, e cumprir, sem hesitação, Sua santa vontade. Nem tudo na nossa vida é como a gente quer, mas “tudo concorre para o bem dos que amam a Deus”.

      Eu gostei bastante da sua sugestão. Se você puder colocá-la na aba, logo à esquerda da página “Sugira um artigo”, eu agradeceria, assim não me perco nas sugestões que os leitores me fazem.

      Beijos e fica com Deus!
      Salve Maria Puríssima!

  • Eu digo por experiência própria:
    Jamais procure alguém na internet!
    Me arrependo amargamente, mais ao mesmo tempo, senti um alívio muito grande por não ter me casado de fato como estava tudo planejado. Tinha-mos de tudo, ele era uma pessoa aparentemente encantadora, sedutor, totalmente imodesto, não vivíamos a castidade e eu nem católica de verdade era, afinal a tempos eu nem sequer rezava, apesar de ser batizada e ter os demais sacramentos. Mais enfim, Deus foi tão generoso comigo, que me tirou do caminho por onde eu estava indo, e me mostrou que eu precisava era Dele e não daquele “casamento”, que ao meu ver seria puro sofrimento e ilusão. Não sabia o que era modéstia católica, que se usava o véu e tudo mais.
    Ele morava sozinho, e eu com minha mãe e irmãos, porém, algo muito me incomodava na casa dele só não sabia o que era, até que tive a idéia de vasculhar a casa dele, que não tinha uma energia boa, não sei de onde saiu de minha cabeça isso, só pode ser ação do Espírito Santo, ainda que eu nem sequer tivesse intimidade com as coisas de Deus, só sei que acabei descobrindo que ele era adepto de práticas ocultas das mais macábras possíveis por questões culturais, já que ele é do continente Africano, não acredita que é Deus quem nos protege e sim as entidades que ele invocava dentro de sua casa.
    Me arrepio só de lembrar. Tenho muita pena porque tanto que eu conversei, ensinei a rezar, a ler a bíblia, rezar o terço pra ver se ele se animava em buscar Deus na vida dele, e abandonar de vez essas práticas, mais infelizmente ele não quis me ouvir. Vá por mim! Essa idéia de querer namorar quem não tem comunhão com Deus e ficar na expectativa de que com o tempo a pessoa vai mudar é conversa fiada, ninguém muda ninguém. Comecei a sentir uma vontade imensa de viver a castidade, e isso pra ele foi a gota d’água. Quando coloquei um ponto final, sofri, emagreci. Me tornei adepta a missa Tridentina na paróquia que o Padre Paulo Ricardo celebra missas bem perto da minha casa e eu nunca havia participado de uma missa sequer lá, eu nem sabia quem era ele na verdade rsrsrsr , voltei pra confissão afinal, haviam mais de 7 anos que não sabia o que era isso, me tornei missionária na igreja católica, vou me consagrar, hoje vivo a modéstia graças a Deus. Abandonei tudo o que remetia a sensualidade, novelas, programas impróprios e creio que um dia o Meu José há de chegar. Hoje tenho a plena certeza que foi Deus quem me tirou de onde eu estava indo,porque o que há de melhor ainda está por vir. E sou muito, mais muito feliz por ser tão amada assim. Se ele ainda não veio é porque eu ainda preciso mudar muita coisa em mim, melhorar mais ainda como Cristã para que eu também possa merecer alguém melhor em minha vida.

Deixe uma resposta