Maternidade de Nossa Senhora – 11 de Outubro (Rito Tridentino)

A festa da Maternidade de Maria foi estabelecida por Pio XI em 1931, por ocasião do 15º centenário do Concílio de Éfeso em que o Dogma da Maternidade foi proclamado. Maria é Mãe de Jesus, porque lhe deu o corpo e o sangue. O Filho de Deus, porque incarnou verdadeiramente dEla, é seu Filho. Exortando-nos a venerar assim a Mãe do Salvador, a Santa Igreja quer despertar em nós sentimentos de amor filial para com Aquela que se tornou, na vida da graça, nossa verdadeira mãe por nos ter dado o Autor da vida. Todos nós, que vivemos unidos com Jesus Cristo e fazemos parte do seu corpo místico, saímos do sio de Maria como corpo unido com a cabeça. É Mãe de todos nós, Mãe espiritual, mas verdadeiramente Mãe dos membros de Cristo (Pio X, encíclica Ad diem illum).

Primeiras Vésperas


Ant. — Ditosa és tu, Virgem Maria, que trouxeste no teu seio o Criador do universo.
2. Deste à luz Aquele que Te criou, sem perderes por isso a virgindade.
3. Porque era humilde, agradei ao Altíssimo e gerei nas minhas entranhas o Homem Deus.
4. Tu és a filha bendita do Senhor, porque foi por Ti que partilhamos do fruto da vida.
5. As filhas de Sião viram-na e chamaram-na ditosa, e as rainhas louvaram-na.

Capítula. — Aquele que Me criou descansou no meu tabernáculo, e disse-Me: Habita em Jacob e lança raízes entre os meus escolhidos.

V. Bendita sois entre as mulheres.
R. E bendito o fruto do vosso ventre.

Ant. de Magnificat. — Celebremos com alegria a Maternidade de Maria sempre Virgem.

MISSA. — Introito, Isaías 7, 14.

Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho e o nome dEle será Emanuel. Sl. Cantai so Senhor um cântico novo, porque Ele fez coisas admiráveis. V. Glória ao Pai.

Oração. — Ó Deus, que pela anunciação do Anjo quisestes que o Vosso Filho incarnasse no seio da Virgem Maria, fazei que, confessando-A verdadeiramente por Mãe de Deus, mereçamos junto de Vós o auxílio da sua intercessão. Pelo mesmo Nosso Senhor.

Gradual (Is 11, 1-2). — Da raiz de Gessé rebentará uma vara e dessa vara brotará uma flor. V. E o Espírito do Senhor repousará sobre ela.

Aleluia, aleluia. V. Virgem, Mãe de Deus, Aquele que não cabe no mundo inteiro, encerrou-se no Teu ventre, fazendo-se homem, aleluia.

Continuação do S. Evangelho segundo S. Lucas (2, 43-51). Naquele tempo: Quando voltaram, ficou o Menino Jesus em Jerusalém, sem que seus pais advertissem. E, julgando que Ele fosse na comitiva caminharam durante um dia, e depois procuravam-nO entre os parentes e conhecidos. E, não O encontrando, voltaram a Jerusalém em busca dEle. E aconteceu que, três dias depois, O encontraram no templo sentado no meio dos doutores, interrogando-os e ouvindo-os. E todos os que ouviam estavam maravilhados da sua sabedoria e das suas respostas. E, quando O viram admiraram-se. E Sua Mãe disse-Lhe: Filho, por que procedeste assim conosco? Eis que Teu pai e Eu Te procurávamos cheios de aflição. E ele disse-Lhe: Para que Me buscáveis? Não sabíeis que devo ocupar-Me nas coisas de Meu Pai? E eles não entenderam o que lhes disse. E desceu com eles, e veio para Nazaré, e era-lhes submisso. — Credo.

Ofertório (Mt 1, 18).Estando Maria, Sua Mãe, desposada com José, achou-se que concebera do Espírito Santo.

Secreta. — Que a Vossa misericórdia, Senhor, e a intercessão da bem-aventurada Maria sempre Virgem, Mãe do Vosso Filho Unigênito, nos conciliem para a eternidade e para o tempo a prosperidade e a paz. Pelo mesmo Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão. — Ditosas são as entranhas da Virgem Maria, porque trouxeram o Filho do Pai Eterno.

Depois da Comunhão.  — Fazei, Senhor, que esta comunhão nos purifique dos nossos crimes e que, por intercessão da bem-aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus, nos torne participantes da Vossa redenção. Pelo mesmo Nosso Senhor.

Segundas Vésperas


Ant. de Magnificat. — A Tua Maternidade, ó Mãe de Deus, foi um pregão de alegria para o mundo inteiro. Porque deste à luz o Sol da justiça, Cristo, o nosso Deus.

____________________
Missal Quotidiano e Vesperal: por Dom Gaspar Lefebvre. Bruges, 1951, p. 1671-1674.

Deixe uma resposta