Maria Santíssima alcança a perseverança para seus devotos

Por Santo Afonso Maria de Ligório

 
maria-NSConfiançaQui operantur in me non peccabunt — «Os que trabalham por mim não pecarão» (Eclo 24, 30)
 
Sumário. É verdade que todas as graças passam pelas mãos de Maria, também será certo que só por meio de Maria poderemos esperar e conseguir a graça suprema da perseverança final. Se nos quisermos salvar, sejamos devotos desta querida Mãe; recorramos a ela em todas as nossas necessidades; e quando os demônios nos vierem tentar, como os pintainhos ao ver no ar o milhafre, vamo-nos meter debaixo do seu manto. Mas ai de nós, se resfriarmos nesta devoção! porquanto, assim como é impossível que se condene um verdadeiro devoto da Virgem, assim é igualmente impossível que se salve o que não for protegido por ela.
 
I. A perseverança é um dom todo gratuito de Deus, que nós não podemos merecer. Todavia, como ensinam Santo Agostinho e outros, podemos obtê-la pela oração, e pela oração quotidiana, porque ela não é dada toda de uma vez, mas dia a dia. Ora, se é verdade que todas as graças que Deus nos concede passam pelas mãos de Maria, segundo a palavra de São Bernardo: Totum nos habere voluit per Mariam — «Deus quis que tivéssemos tudo por meio de Maria»; também será certo que só por meio de Maria poderemos esperar e conseguir a graça suprema da perseverança.
 
Certamente a conseguiremos, se com confiança a pedirmos sempre a Maria, mas especialmente no tempo das tentações. Ela mesma, como lhe faz dizer a santa Igreja, promete-a a todos os que fielmente a servem: Os que obram por mim, não pecarão. E em outro lugar: Mea est fortitudo, per me reges regnant (Prov 8, 15) — «Minha é a fortaleza, por mim reinam os reis». Minha é a fortaleza, diz Maria; Deus depositou na minha mão este dom, tão indispensável para vencer os inimigos espirituais, para que eu o conceda aos meus devotos. É por minha mediação que os meus servos reinam e dominam sobre todos os seus sentidos e paixões, e assim se fazem dignos de reinarem eternamente no céu.
 
Ao contrário, pobres das almas que deixam de ser devotas de Maria e de se recomendar a ela em todas as ocasiões. Diz Santo Anselmo, que assim como aquele que se recomenda a Maria e por ela é olhado com amor, não se pode perder, tampouco é possível que se salve o que não é devoto de Maria e por ela protegido. — São Francisco de Borja perguntou certa vez a uns noviços, de que Santo eram mais devotos, e achando que alguns não tinham devoção especial a Maria, avisou ao Mestre dos noviços que olhasse com mais atenção para aqueles desgraçados; e sucedeu que todos perderam miseravelmente a vocação, e quiçá com esta também a alma.
 
II. É com razão que São Filipe Neri dizia sempre a seus confessados: «Meus filhos, se desejais a perseverança, sede devotos da Virgem Maria». Quem dera todos os homens amassem esta begníssima e amantíssima Senhora, e a ela recorressem sempre e imediatamente no momento da tentação! Quem jamais havia de cair? Cai e perde-se quem não recorre a Maria.
 
Assim como os pintainhos, vendo no ar o milhafre, correm logo a recolher-se debaixo das asas da mãe; também nós, diz Santo Tomás de Villanova, quando os demônios nos vierem tentar, devemos logo, sem discorrer sobre as tentações, meter-nos debaixo do manto de Maria, e dizer com confiança: Sub tuum praesidium confugimus — «Refugiamo-nos sob a vossa proteção».
 
Ó Deus Eterno, graças Vos dou, porque me esperastes quando estava em pecado, me perdoastes tantas vezes e me preservastes de tantas faltas, nas quais teria caído sem o socorro da vossa graça e a proteção da minha Mãe, Maria. Ai! meus inimigos não cessarão de me tentar até à morte; se não me sustentais, Vos ofenderei ainda mais do que d’antes. — Pelo amor de Jesus Cristo e da Virgem Maria, dai-me a santa perseverança. Peço-Vos, pelos merecimentos do vosso Filho amadíssimo, e pela intercessão de Maria, a graça de não me separar mais de Vós. Certo estou, ó meu Deus, de que, se contínuo a pedir-Vos a perseverança e a recomendar-me à Rainha do céu, obtê-la-ei, pois prometestes ouvir àquele que Vo-la pede. A graça, pois, que Vos peço, em nome de Jesus e Maria, é não deixar a oração. Fazei que, nas tentações, jamais deixe de recorrer a Vós, invocando os santos nomes de Jesus e Maria. Por este meio, ó meu Deus, tenho a firme esperança de morrer na vossa graça e ir amar-Vos no paraíso, onde viverei seguro de não me separar mais de Vós e de Vos amar por séculos eternos. — Ó Maria, Mãe da perseverança, rogai por mim.
 
—————
LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo Terceiro: desde a duodécima semana depois de Pentecostes até ao fim do ano eclesiástico. Friburgo: Herder & Cia, 1922, p. 56-58.
 
|| » Siga o blog Mulher Católica no Twitter e no FaceBook ou receba os artigos por Email « ||