Oremos nas tribulações e tentações!

Por Melissa Bergonso

Alguns momentos que passamos em nossas vidas são bastante difíceis e é justamente nestes momentos que precisamos rezar mais e confiar mais em Deus, não importa quão difíceis, impossíveis e até mesmo inimagináveis sejam as circunstâncias e os acontecimentos.

A alma que confia em Deus com todo o coração e se abandona em Suas mãos, agrada-O sobremaneira. Deus quer que confiemos nEle, Deus quer que nos abandonemos nEle, Deus quer que nós O procuremos para colocar nossas preocupações sob Seus cuidados. Deus, que nos ama tanto, não nos daria consolo e descanso nos piores momentos do nosso caminhar terrestre? É claro que sim! porém, não da mesma forma que o mundo oferece, pois Deus muito prova àqueles a quem Ele muito ama.

Devemos aprender a orar nas tribulações e nas tentações. Se as almas rezassem mais nestas circunstâncias, Deus seria mais glorificado e os sofrimentos de cada pessoa teriam real proveito em favor dos irmãos. De que adianta sofrermos se não entregamos nossa dor a Deus como oferta e sacrifício de amor pela salvação das almas que estão no pecado, sem a graça de Deus?

Rezemos, pois, também, para a conversão dos pecadores e salvação das almas, unindo nossos sofrimentos aos sofrimentos de Cristo na cruz, no silêncio do nosso coração, ardendo de desejo da salvação das almas e de amor a Nosso Senhor…

—-*—*—*—-

ORAÇÃO NAS TRIBULAÇÕES

Senhor meu Deus, sede bendito agora e sempre, porque tudo se faz segundo quereis, e é bom tudo que fazeis. Pai justo e sempre digno de louvores, é chegada a hora em que há de ser provado o vosso servo; Pai amoroso, é de justiça que eu sofra alguma coisa; Pai sempre adorável, o momento que de toda a eternidade prevíeis havia de vir, ei-lo chegado. Pai santo, assim o determinastes, deste modo o quisestes, e como o mandastes assim se fez. Sem o vosso desígnio e sem a vossa providência nada se faz na terra. Para mim é bom, Senhor, que me tenhais humilhado, para que assim aprenda a procurar consolação em vós, antes que nos homens. Graças vos dou por não me terdes poupado ao sopro da adversidade, antes me terdes castigado severamente, infligindo-me dores, e acabrunhando-me por todos os lados de angústias. Não há ninguém debaixo do céu capaz de me consolar senão vós, Senhor meu Deus, médico celestial das almas, que feris e sarais, que nos conduzis até às portas da morte e delas tornais a tirar-nos.

Pai amantíssimo, eis-me aqui em vossas mãos. Dobrai a minha cerviz, para que as minhas torcidas inclinações se endireitem segundo a retidão da vossa vontade. Fazei de mim, como bem sabeis fazê-lo, um discípulo humilde e piedoso, sempre pronto a obedecer-vos ao menor aceno. Abandono-me com tudo o que me pertence à vossa punição, pois é preferível ser castigado nesta vida, a sê-lo na outra. Vós sabeis tudo, e não há nada na consciência humana que vos seja oculto. Sabeis o que mais convém à minha salvação, e como me é útil a tribulação para limpar a ferrugem dos vícios.

Fazei de mim, como for de vossa vontade e gosto. Não me desprezeis por causa da minha vida pecaminosa, que vós só, mais que nenhum outro, bem claramente conheceis. Fazei-me, Senhor, possível pela graça, o que pela natureza me parece impossível. Bem sabeis quão pouco posso padecer, e como realmente me abato pela menor contrariedade. Permiti, pois, ó meu Jesus, que se me torne aprazível e amável, pelo vosso nome, qualquer prova e tribulação, visto como é no experimentar dores e aflições por amor de vós, que minha alma achará sua salvação. Assim seja.

ORAÇÃO NAS TENTAÇÕES

Bendito seja, Senhor, para sempre o vosso santo nome, pois permitistes que viessem sobre mim estas tentações. Não as poderei evitar; mas é indispensável que a vós recorra, para que me auxilieis, e as torneis em meu proveito.

Eis-me, Senhor, em vexame! meu coração está desassossegado por causa desta paixão que o atormenta vivamente. E que vos direi, Pai amantíssimo? Estou entre angústias, salvai-me nesta hora! É por isso que para vós me chego, a fim de que manifesteis a vossa glória, e me livreis, quando mais humilhado eu estiver. Dignai-vos, Senhor, livrar-me deste estado, porquanto, pobre de mim, que farei e onde irei sem vós? Por mais esta vez ainda, Senhor, dai-me força e paciência. Sustentai-me, meu Deus, e nada temerei, quaisquer que sejam os males que venham sobre mim.

Poderosa é a vossa mão onipotente para afastar de mim esta tentação e moderar sua violência, para que não sucumba de todo. E quanto para mim é mais dificultosa esta mudança, tanto mais fácil é ela para vós, porque é obra da destra do Altíssimo. Em vós, ó meu Deus, esperei; não serei confundido eternamente. Assim seja.

—————
Manual da Paróquia. Rio de Janeiro, Vozes, 5ª. edição, 1950, p. 250-251; 253. Compilado por Mons. Leovigildo Franca.

Comentários ( 4 )

  • Olá Melissa!
    Salve Maria!
    Muito obrigada pelo seu e-mail e, principalmente, por ter partilhado comigo… Não tive como responder, desculpe?!
    Acho que ganhei uma amiga?!
    Que a Virgem Santíssima cuide do nosso coração!

    Gostei destas duas orações (acho que teve um pouquinho a ver) eu já as tinha e gosto muito, e estava mesmo rezando elas… Este Manual da Paróquia é muito bom! Amo de paixão estes livros antigos de orações!

    Que a Santíssima Mãe de Deus possa lhe recompensar todo o carinho e disponibilidade!
    Fico mesmo muito agradecida, viu?!
    Agora, já estou retomando o meu blog… uff saudade!
    Um santo dia pra você!
    Contemplemos Jesus na escola de Maria!

    Nívea

  • Oi, Nívea, Salve Maria!

    Imagina, de nada! Não tem problema, quando puder me responder, responda. Sei que o tempo urge, para todos! rsrsrs…

    Com certeza você ganhou uma amiga :)

    Este Manual da Paróquia é uma relíquia! Não se fazem mais bons livros de orações como antigamente!!

    Que bom que voltou ao blog! Agora com força total, né?? :D

    Fica com Deus!
    Uma santa semana para você!!

Os comentários estão fechados.