Do Matrimônio: § 2º. Ministros, cerimônias e disposições para o Matrimônio

Por São Pio X
833. Quem são os ministros do Sacramento do Matrimônio?
Os ministros deste Sacramento são os mesmos esposos, que reciprocamente conferem e recebem o Sacramento.
834. De que maneira se administra este Sacramento?
Este Sacramento, porque conserva a natureza de contrato, é administrado pelos mesmos contraentes, declarando na presença do próprio pároco, ou de outro Sacerdote devidamente autorizado, e de duas testemunhas, que se unem em matrimônio.
835. Para que serve então a bênção que o pároco dá aos esposos?
A bênção que o pároco dá aos esposos não é necessária para constituir o Sacramento, mas é dada para sancionar em nome da Igreja a sua união, e para atrair sempre mais sobre eles as bênçãos de Deus.
836. Que intenção deve ter quem contrai Matrimônio?
Quem contrai Matrimônio deve ter intenção: 1º. de fazer a vontade de Deus, que o chama a tal estado; 2º. de procurar nele a salvação da própria alma; 3º. de educar cristãmente os filhos, se Deus lhos der.
837. De que maneira se devem dispor os esposos para receber com fruto o Sacramento do Matrimônio?
Os esposos, para receber com fruto o Sacramento do Matrimônio, devem: 1º. encomendar-se de todo o coração a Deus, para conhecer a sua vontade e para alcanças d’Ele as graças que são necessárias em tal estado; 2º. consultar os próprios pais, antes de chegar ao noivado, como o exige a obediência e o respeito devido aos mesmos; 3º. preparar-se com uma boa confissão, até mesmo geral, se for necessário, de toda a vida; 4º. evitar toda a familiaridade perigosa de trato e de palavras, ao conversarem mutuamente antes de receberem este Sacramento.
838. Quais são as principais obrigações das pessoas unidas em Matrimônio?
As pessoas unidas em Matrimônio devem: 1º. guardar inviolada a fidelidade conjugal, e proceder sempre cristãmente em tudo; 2º. amar-se mutuamente, suportando-se um ao outro com paciência, e viver em paz e harmonia; 3º. se têm filhos, cuidar seriamente de prover às suas necessidades, dar-lhes educação cristã, e deixar-lhe a liberdade de escolher o estado de vida a que Deus os chamar.
—————-
São Pio X. Terceiro Catecismo da Doutrina Cristã: Catecismo Maior de São Pio X. Edições Santo Tomás, 2005, p. 199-201.