As Virtudes de Nossa Senhora: IV – Sua Fé

Por Santo Afonso Maria de Ligório

A bem-aventurada Virgem, assim como é Mãe do amor e da esperança, também é Mãe da fé. “Eu sou a Mãe do belo amor, do temor e do conhecimento e da santa esperança” (Eclo 24, 24). Acertadamente tal se chama, diz S. Ireneu, porque o dano que Eva com sua incredulidade causou, Maria o reparou com sua fé. Palavra essa que Tertuliano confirma, dizendo: Eva deu crédito à serpente, em oposição à palavra de Deus e com isso trouxe a morte; nossa Rainha, ao invés, crendo na palavra do anjo, segundo a qual devia ser Mãe do Senhor e permanecer virgem, gerou ao mundo a salvação. De acordo está com isso a seguinte sentença, atribuída a S. Agostinho: Dando Maria seu consentimento à Encarnação do Verbo, abriu aos homens o paraíso por sua fé. Identicamente exprime-se também Ricardo de S. Vítor, com referência à palavra de S. Paulo: O marido infiel é santificado pela mulher fiel (1 Cor 7, 7). E Maria, diz Ricardo, essa mulher fiel, porque com sua fé salvou Adão e a toda descendência dele. Por causa desta fé, proclamou-a Isabel bem-aventurada: “E bem-aventurada tu, que creste, porque se cumprirão as coisas que da parte do Senhor te foram ditas” (Lc 1, 45). Porque abriu seu coração à fé em Cristo, é Maria mais bem-aventurada do que por haver trazido no seio o corpo de Jesus Cristo.

1. Suárez acentua que Maria tem mais fé do que todos os homens e anjos

Via o Filho na manjedoura de Belém e cria-o Criador do mundo. Via-o fugir de Herodes, sem entretanto deixar de crer que era ele o verdadeiro Rei dos reis. Pobre e necessitado de alimento o viu, mas reconheceu seu domínio sobre o universo. Viu-o reclinado no feno e confessou-o onipotente. Observou que ele não falava e venerou-lhe a infinita sabedoria. Ouviu-o chorar e o bendisse como as delícias do paraíso. Viu finalmente como morria vilipendiado na cruz, e, embora outros vacilassem, conservou-se firme, crendo sempre que ele era Deus. “Junto à cruz estava a Mãe de Jesus” (Jo 19, 25). Aqui observa S. Antonino: Maria ficou firme na sua jamais abalada fé na divindade de Cristo. Em memória disso, explica o Santo, é que no Ofício das Trevas se conserva uma única vela acesa. Com muito acerto, S. Leão refere a Maria a seguinte passagem dos Provérbios: A sua candeia não se apagará de noite (31, 18). Vem a propósito agora o texto de Isaías: Eu calquei o lagar sozinho, e das gentes não se acha homem algum comigo (63, 3). Comentando-o, observa S. Tomás: As palavras “homem algum” devem ser acentuadas por causa da Virgem, cuja fé nunca vacilou. Assim Maria — conclui S. Alberto Magno — exercitou a fé por excelência; enquanto até os discípulos vacilaram em dúvidas, ela afugentou toda e qualquer dúvida.

“Virgem da luz para todos os fiéis”, é título que lhe dá S. Metódio, justamente por causa dessa sua inabalável e grande fé. S. Cirilo de Alexandria saúda-a como Rainha da fé ortodoxa. A própria Santa Igreja atribui aos merecimentos de sua fé a extirpação de todas as heresias. “Alegra-te, ó Virgem Maria, porque sozinha extirpaste todas as heresias”. Dizem os Cânticos: Feriste o meu coração, minha irmã, esposa minha, com um dos teus olhares (4, 9). Na explicação de S. Tomás de Vilanova os olhares de Maria foram a sua fé, pela qual se tornou tão agradável a Deus.

2. Aqui nos exorta S. Ildefonso a imitarmos Maria na fé

Mas imitá-la como? A fé ao mesmo tempo é dom e virtude. E dom de Deus, enquanto é uma luz na alma. E virtude, enquanto ao exercício que dela faz a alma. Assim a fé nos deve servir de norma, não só para crer, senão também para agir. Por isso, diz S. Gregório: Quem pôs a vida de acordo com a fé, esse crê de verdade. E escreve S. Agostinho: Tu me dizes: eu creio; procede então segundo essa palavra e de fato estás crendo. A prova de uma fé viva é viver conforme o que se crê. “O meu justo vive da fé” (Hb 10, 38). Assim foi a vida da Bem-aventurada Virgem, bem diferente da de muitos que vivem de modo oposto ao que crêem. Destes é morta a fé, como diz S. Tiago. “Porque assim como sem o espírito o corpo está morto, morta é a fé, sem as obras” (2, 26). Diógenes andava procurando um homem, na terra. Assim também parece que Deus anda procurando um cristão, no meio de tantos fiéis. Com efeito, poucos são cristãos pelas obras. A maior parte dos homens só o é de nome. Dever-se-iam repetir-lhes as palavras de Alexandre a um seu homônimo e covarde soldado: Muda ou de nome ou de vida! Ou antes (segundo o Padre Mestre Ávila) se deveriam encerrar esses infelizes como loucos numa prisão. Pois eles crêem que há uma eternidade feliz preparada para os bons, e uma infeliz para os maus, e entretanto vão vivendo como se não cressem em tal doutrina.

Exorta-nos S. Agostinho a vermos as coisas com olhos cristãos, isto é, à luz da fé. S. Teresa dizia que todos os pecados nascem da falta de fé. Peçamos, pois, à Santíssima Virgem que, pelos merecimentos de sua fé, nos alcance uma fé viva. Senhora, aumentai a nossa fé!

—————

LIGÓRIO, Afonso Maria de. Glórias de Maria: com indicações de leituras e orações para dois meses marianos. Aparecida, SP: Editora Santuário, 1989, p. 423-425.

Leia também: